Camila e Obama e a longa noite no Brasil – BDD

A Camila me ensinou a trabalhar comendo frutas secas e passas e polenguinho. Quem ensinou isso pra ela foi o Obama. E vocês aí achando que eu só me dou com gente fubá.

*

Fiquei bem acostumadinha às promoções de polenguinho de rico e agora que elas acabaram, eis-me aqui de volta ao polenguinho de pobre.

*

Impressionada com o número de amigos de esquerda que, frente à crise, falta de esperança, imbecis rematados e encilhados no poder e mundo prestes a acabar, estão abraçando vertentes mais, digamos, esotéricas da existência. Mas é muita muita gente. O que tem de marxista-leninista receitando florais, conselhista jogando búzios, velha esquerda botando tarô, benzedeira stanilista, mãe de santo trotskista, diácono maoísta e luxemburguista astrólogo não tá no gibi. Meu melhor amigo, um bolchevique histórico, agora professa sua fé como Franciscano da Terceira Ordem e nunca foi tão feliz.

Pessoalmente, não acho bom ou ruim, só observo o fenômeno (não que alguém vá deixar de me dar porrada por observar, eu sei, mas vai que, fica aqui o registro), comungo da mesma fé do Sinatra (foi o Sinatra?), que dizia que qualquer cousa que te ajude a atravessar a noite tá valendo, sejam orações ou uma garrafa de Jack Daniels.

A noite no Brasil será muito, muito longa, cada um deve se segurar no que for possível. Este 2019 foi/está sendo só uma amostra do que virá.

*