No Princípio era o Verbo

A Páscoa, antes da libertação do povo hebreu do Egito, era uma festa da primavera. Uma celebração de camponeses e pastores por meio de dois elementos: o cordeiro e os pães.

A celebração do cordeiro acontecia à noite, ao redor do fogo, com a participação de todo clã e o tamanho do cordeiro correspondia ao tamanho do clã. Era a confraternização dos pastores que se preparavam para a busca de novos pastos.

Já a festa dos pães acontecia por uma semana e era marcada por assembleias do clã no início e fim da semana. Era um festejo de camponeses pelos primeiros frutos da roça e sua preparação para uma nova semeadura.

Era uma iniciativa dos clãs e das tribos, não era festa oficial dos palácios. Mas aos poucos recebeu um sentido mais amplo, de celebração e libertação dos hebreus do jugo do Faraó. O que era celebração passou a ser, também, memória e identidade.

Êxodo 12:14

“E este dia vos será por memória e celebrá-lo-eis por festa ao Senhor, nas vossas gerações e celebrareis por estatuto perpétuo.”

A Páscoa, portanto, era celebrada séculos antes de Cristo e o culto à sua morte e ressurreição é apenas mais uma das muitas apropriações do Cristianismo.

A Páscoa cristã é comemorada anualmente, no primeiro domingo após a lua cheia que ocorre no início da primavera no hemisfério norte e no início do outono no hemisfério sul. A partir dessa data, retrocedendo quarenta dias, é o período conhecido como Quaresma, que tem início na quarta-feira de cinzas, que encerra o carnaval.

Esse calendário complicado é apenas a maneira fofa de Jesus aconselhar um período de quarenta dias de recolhimento e frugalidade após os excessos momescos. Quase a dieta do Nazareno.

A semana santa começa no Domingo de Ramos que lembra a entrada de Jesus em Jerusalém, em triunfo, montado num burro e as pessoas cobrindo a rua com folhas de palmeira comemorando a sua chegada e acaba na sexta-feira com Jesus crucificado. O que prova que liberar o vinho na taberna talvez não tenha sido uma boa ideia.

O pessoal deve ter exagerado depois do período de abstinência para ir de triunfo no domingo a Judas vender Jesus e Pedro negar conhecê-lo até sexta-feira.

De Judas não digo coisa alguma, mas sobre a atitude de Pedro, corre à boca pequena que foi revanche.

Tempos atrás, tendo morrido a sogra de Pedro, num tempo que mulher vivia pra caramba, pessoal já tinha recolhido a verba da comemoração na taberna, Belzequias já tinha mandado matar o carneiro, vai Jesus e comete o desatino de ressuscitar a mulher.

Pedro amargou calado por anos essa desfeita. Mas no último minuto, deu pra trás. Não dava pra perdoar tamanha trairagem.

Fonte:

Jesus cura a sogra de Pedro

Marcos 11: 29-31

Lucas 4; 38-41

Mateus 8: 14-15

Pedro nega Jesus

Marcos 14: 66-72

Lucas 22: 54-62

Esta é a última publicação. O arquivo de todas as publicações está aqui:
https://noprincipioeraoverbo.food.blog/