Pular para o conteúdo

palavras estranhas

Desordem, correria, cansaço, papelada, canetas, cores, calor, calor, calor, pressa, vontade de sumir, desalinho, suco de goiaba, flores bem estranhas, juras eternas, desencontros inevitáveis, desaforos desnecessários, maldadezinhas tão tolas (já estou nas cordas, nada disso era necessário, meu bem), palavras estranhas, falta de zelo, pequenos objetos espalhados, pensamentos recorrentes, visões desconcertantes, horas silenciosas, uma tela que não pisca.

Rádio-Drops: Todo se transforma

Queria demais acreditar nisso, que você recebe o que dá. Não é um conceito correto, porém, sob qualquer ponto de vista. Você recebe mais do que dá, igualzim-quenem ou muito menos do que dá dependendo de um zilhão de acordos, coincidências, mais ou menos doses de amor-próprio e outras milhares de circunstâncias impossíveis de listar num blog curto. Mas pra dançar com quem se ama e cantar junto bem alto, essa canção é imbatível. Das muitas coisas que jamais faremos. Juntos, pelo menos.

dentes trincados

No fim a gente tem o quê? A casa da gente. Eu tenho o meu Drops. Vai ficar tudo bem.

*

Tive um padrasto maestro. Ele tava preparando os arranjos duma cantora e tinha umas músicas sei lá eu, meio cafonas, acho, e lá pelas tantas ele virou pra ela e falou “Ô Fulana, o nome do elepê é como ‘Ai como era grande’, é?”. Eles riram, eu ri e o moço da mesa de som do estúdio teve que ficar de pé e ser abanado de tanto que riu. Nem sei porque fui lembrar disso agora.

*

Adultos inocentes, confusos, vacilantes, fazedores de beicinho, choramingando. Corpos e desejos e despesas de adultos, mas almas de pobres bebezões confusos e dodóis. Faça-me o favor, Brasil.

*

O cara acha que me ofende me chamando de paulista. Meu querido, eu nasci na mesma maternidade que o Paulo Maluf, ser paulista não é a pior coisa que já me aconteceu.

*

Ordem dos livros favoritos de Rerispótis meus: 1 4 5 3 2 6 – o último livro eu finjo que não existe. Enfim, informação que achei importante compartilhar com a comunidade.

*

Mulheres não resolvem a vida com um amistoso e catártico soco na cara, né, a gente sorri, o peito borbulhando de dor e segue em frente. Inda manda um “tudo bem”, porque qualquer outra cousa seria crise de choro no meio dum dia de trabalho. Ser mulher é uma coisa muito louca.

*

DR com loja de material de limpeza. Taquei pedra na cruz.

*

Alguém me perguntou como suportar e eu disse algo sobre dentes trincados, álcool, respirar pela barriga e palavras no papel, mas esqueci duma delícia: uma jarra d’água trincando de gelada, muitas folhas de hortelã, um limão inteiro em rodelas (ou picado, se você for mais competente do que eu às voltas com tábuas e fios). As tais palavras, creia, escorregam melhor para o papel durante uma tarde-maçarico como as que São Paulo vem produzindo com tanta competência.

*

Boteco que vende comida chinesa com preço de comida de boteco. Meu bairro, meu mundo.

*

A sensação de ser bom em alguma coisa é uma delícia.

*

2021acabando. Tem um monte de coisa que podia acabar junto com 2021.

Vem cá, meu bem

Repetir para Elaborar

Reclames do Drops

Rádio Drops

Piu Piu

[fts_twitter twitter_name=dropseditora tweets_count=2 cover_photo=no stats_bar=no show_retweets=no show_replies=no]

Instagram

[fts_instagram instagram_id=17841405821675374 access_token=IGQVJYOEVGYllBNkJDd3NXWFJMYW9YRllGN0FfaDdadjVvNnVIWWVrMkdLMnBrT1UySXVDVTVWZA01tQmlYbkszRTBnTUo1eTFhUHR3RFFfa3ZAVa3BQY05SeTZAma1JfbFpQZADZAaVEpB pics_count=2 type=basic super_gallery=yes columns=2 force_columns=no space_between_photos=1px icon_size=65px hide_date_likes_comments=no]
Águas Passadas