Rosa e Vermelho

por Krysse Barros

Vênus no espelho – Diego Velásquez

Um quadro pintado há séculos. Nosso cérebro precisa compreender o que nossos olhos veem. Começa a trabalhar com as informações recebidas pelos olhos que perscrutam a tela em busca de formas conhecidas, detalhes já vistos, posturas ou paisagens antes tentadas por outros artistas. Muitos pontos podem atrair nosso olhar. Invariavelmente o artista escolhe o ponto focal que será o objeto principal da sua obra e concentra neste objeto o que deseja transmitir aos seus futuros observadores.

Analisamos toda obra que vemos segundo critérios estritamente próprios, criados e amadurecidos de acordo com os padrões culturais que cada uma das pessoas ao redor do mundo pôde ou escolheu manter. Ou seja, cada livro lido, filme assistido, peça teatral aplaudida, exposição vista, museu visitado, viagem feita e curso finalizado.

Desenvolvemos opiniões únicas a respeito de tudo na vida, inclusive cultura. Cada um de nós é um espectador único e nos colocamos de frente para uma obra de arte com toda a nossa bagagem cultural.

De frente para a Vênus ao Espelho, de Diego Velásquez, vemos um quadro de nudez, produzido no século XVII em plena Espanha católica de Felipe IV, um país enriquecido pelas viagens exploratórias do século anterior.

Ali, o espectador consegue se transportar, com seu cabedal de conhecimentos, ao tempo histórico em que Diego Velásquez pintou essa mulher nua, reclinada em seu récamier (ou canapé – olha que palavra linda). Posicionando-a desse modo, o artista aumentou suas curvas e as destacou como se fossem uma insensata linha do horizonte. O que nos leva ao objetivo principal da obra: retratar de modo pessoal o clássico tema da Vênus. Velásquez dividiu o quadro entre a tentação em marfim e rosa do corpo desnudo de sua Vênus e o vermelho da cortina, um dramático pano de fundo para o Cupido que segura o espelho, nos atraindo para o rosto da Vênus que nos encara.

O que a Vênus diz com seu olhar refletido que não pode ser totalmente visto, uma vez que o artista utilizou sua técnica de chiaroscuro para obter esse efeito de intangibilidade na mirada que apenas adivinhamos? Essa mulher em sua nudez tão diferente dos padrões vigentes e considerados belos à época realmente nos vê?

Qual seria a história da Vênus desnuda? Que, revolucionária, desafia os padrões de seu tempo com seu corpo magro e sua nudez de costas – não frontal, como era habitual e que observa o espectador de um ângulo impossível devido à posição em que Cupido segura o espelho.

Por que Velásquez, diferente de outros artistas que criaram suas Vênus, não a retratou num opulento nu frontal, como era o usual? Ele compôs um nu sensual e calipígio, escandaloso, mas nada vulgar. Maravilhoso! Há documentos em que constam outros quadros com nus que ele pintou. Nenhum deles, porém, alcançou os séculos posteriores. Teria sido a esperteza em retratar uma mulher fora do padrão de beleza da época que salvou esse quadro da destruição?

 Velásquez teve uma vida confortável desde o nascimento. Desde cedo demonstrou aptidões artísticas e seus pais o colocaram sob a tutela de um mestre que o ensinou as técnicas de pintura por seis anos, dos onze aos dezessete. Com dezoito anos, prestou um exame que o habilitou a pintar obras sacras e obteve licença para atuar como pintor profissional. No ano seguinte casou-se com a filha do seu professor e já fazia retratos em sua cidade natal, Sevilha. Sua habilidade fez com que se tornasse rapidamente conhecido e com vinte e três anos foi para Madri pintar o retrato de um nobre que o recomendou ao rei. Este se fez retratar por Velásquez e teve tanta estima por seu retrato que o tornou um dos pintores da corte.

Velásquez não apenas era um mestre do Barroco, um virtuose do chiaroscuro (claro/escuro), um excepcional retratista. Era também uma pessoa de modos sociáveis, inteligente e com uma veia irônica e profundamente orgulhoso de sua carreira e trabalho. O espírito amigável do pintor pode ser constatado em diversos, senão na maioria de seus trabalhos, nos quais há amiúde a presença de um personagem a observar o espectador a partir da obra. Por vezes é o próprio Velásquez quem nos observa, como que a indagar se porventura está você admirado com a obra que ele produziu.

Krysse Barros tem 53 anos, quatro filhos e dois cães resgatados. Aprendeu Direito na faculdade e a ser de esquerda em 1978 assistindo à “propaganda eleitoral” na TV. Gosta de praia, cinema, literatura e teatro. Acredita que a única filosofia possível é viver cada dia que se apresenta e sonha, ah, Deus, que um dia ainda vai conseguir morar sozinha.

6 comentários em “Rosa e Vermelho”

  1. Priscilla Leal Mello

    Sonho que a Arte nos espreite de seu lugar ora seguro, em observador silenciar das opiniões e dos desvarios humanos. Descansada de nossa loucura, enternecida de nós, nos salve de nossa insensatez quando a vida nos der nova chance. Obrigada, Krysse, pelo texto-poesia!

    1. Krysse Maria Rodrigues Barros

      Obrigada Priscilla!
      Agradeço sua generosidade como amiga de vida inteira com meu texto. Aceito e celebro sua vida dedicada ao Conhecimento, ao jornalismo, à História, prioridades tão ofendidas atualmente. As artes nos salvarão, tenho certeza disso.
      Abraços e beijos da amiga de sempre, Krysse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *