Cecilia e Davi, Nelsão Blues, risoto de brie com pera e uma pista de dança. Diário de um mundo que acabou.

O que é relevante. O que não é relevante. O que importa para mim, o que importa para você.

Estamos beirando os cem mil mortos e, ao mesmo tempo, seguem nossas vidas. Comprei tapetes para a cozinha. Mandei operar de urgência uma gata. Um gasto e um susto que não estavam nos planos. Me apaixonei pelas ervilhinhas que a Suzi colheu no quintal. Esperei um telefonema que não veio. Me afligi com alunos e datas. Recomecei a ver um seriado boboca que adoro.

Cem mil mortos. Ontem, fiz o melhor risoto do mundo e bebi vinho pensando em quem, definitivamente, não deveria ocupar meus pensamentos.

*

The umbrella academy. Sim, meu seriado boboca. Vi a primeira temporada mas, com a graça dos céus, não me lembro de patavina. De modos que estou revendo a primeira temporada para, depois, começar a segundona, que tá aí, nova em folha.

Adoro, adoro.

*

O presidente é um desclassificado. Só isso mesmo.

*

Eu não tenho mais meu pai. Nunca ligamos pra datas, nunca demos a mínima, pra ser bem franca, mas agora que não tenho mais meu pai, todos os dias do pais, há quase vinte anos, são feitos de: eu não tenho mais meu pai. Hoje me emocionei quando soube duma amiga que tem a delicadeza de mandar feijoada para os amigos que não têm mais pai – um presentinho de dias dos pais. Ela envia um almoço especial para os solitários de pai neste mundo. Moro longe demais para uma quentinha, mas me considerei alimentada.

*

É julho, ventilador ligado, dou aulas sem meias, bebendo chá gelado. Sou contra demais este estado de coisas.

*

Nos últimos tempos, tenho o privilégio de conviver com uma meninazinha de sete anos, um menino de doze. Amo todos os meus alunos, mas os dias dessas crianças são, de longe, os melhores da semana. De longe. Não tem competição.

*

A cirurgia da gata foi horrorosa e o cara ainda era bem barbeiro. Ela tá se recuperando, mas eu, não. Não tenho mais idade pra nada disso.

*

Achei um uísque do meu pai, aqui. Tá velho, velhíssimo, o rótulo é só uma lembrança, quase 1/3 da garrafa evaporou, a cor é laranja-avermelhado agora e o gosto é como se satanás, pessoalmente, me beijasse na boca e me tirasse para dançar.