A Canção da Borboleta Ausente

A logo da Drops Editora carrega anos de leitura, escrita, reflexão, renúncias diárias, pensamentos vãos, atitudes certeiras e passos em falso, projetos e concretudes.
A única coisa certa é que não é só um desenho bonito impresso no canto da capa de um livro.
Ele tem lastro e existe em cada grão de tempo que ainda cai.
Hoje a Drops Editora apresenta seu primeiro autor.
Como em todos os projetos do Drops há, sim, amor envolvido. Mas só amor não basta para que a cumplicidade profissional se estabeleça.
Paulo Candido é parceria antiga, em muitos projetos, em muitas estradas. Juntos, traduzimos o olhar alheio, vasculhamos tempos outros em busca de entendimento e explicação, traçamos métodos, estabelecemos teorias. Há anos temos a felicidade de assinar com ele um bocado de iniciativas felizes. A capacidade profissional do Paulo é rara, sua leitura, impressionante, seu olhar para o mundo, excepcional. Ah, e imensa sua coragem.
Apresentar o primeiro livro dele, o primeiro de muitos que virão, é uma alegria. Compartilhar esse trabalho com vocês todos é um privilégio.
“A Canção da Borboleta Ausente”, livro de poemas de Paulo Candido, com ilustração de Fal Azevedo, é um doce raro que guardamos para oferecer aos mais queridos.
A mesa está posta!

30,00 + 10,00 para o Brasil todo!

Escreve pra gente: borboleta.ausente@gmail.com

As Editoras

Drops Editora

Domingo Caderninho 10
Ligue para mim. Ligue para mim bem cedo, quando o céu é cinza-escuro e um cãozinho solitário uiva lá longe e a 23 de Maio ainda não brilha em vermelho intermitente. Ligue para mim às onze da manhã, quando já estamos morrendo de fome e ainda é cedo para o almoço, mas que diabos, almoçamos, porque é sempre Dois Córregos em algum lugar do Império Britânico. Ligue para mim quando a dor é tão gigantesca que mal posso respirar ou concatenar um pensamento a outro e nem posso me lembrar do motivo de estarmos aqui e não consigo manter os olhos abertos, mas então vem a aula das Sandra às nove e meia e depois os e-mails para redigir e toda aquela história para acertar com a Suzi e o cãozinho para alimentar (de novo) e então, e então, e então são dez da noite e tenho de tomar banho e dormir e dormir, porque devo falar com “el Noruego” às seis da matina e nada, nada, nada além disso me espera. Ligue para mim dizendo no todo está perdido, embora nós dois estejamos cientes de que está sim. Digite meu número momentos antes de chegar em casa e fale comigo apressado e aflito enquanto sobe os degraus. Desligue bruscamente antes de pousar a mão na maçaneta e sorria como se nada tivesse acontecido, porque sabemos, realmente não aconteceu. Ligue para mim para rasgar meu coração, para me dar a mais terrível das notícias sem perceber que o fez, ou percebendo, nem sei o que é pior, o que dói mais, e continue falando e falando e falando até eu desligar o telefone na sua cara no meio do “recomendações à senhora sua mãe”, porque, sinceramente, eu precisava gritar no travesseiro. Ligue para mim e seja cruel, seja muito, muito cruel, diga coisas malvadas enquanto franze a testa despreocupadamente e fala da peça e comenta sobre o clima e lamenta que Ipanema não mais seja só felicidade. Ligue para mim. Ligue para mim quando eu não for convidada. Ligue para mim e faça um relatório da vida que eu poderia ter e jamais tive. Ligue. Ligue. Mantenha-me informada da minha dor, da sua alegria, ligue para mim. Ligue para mim quando eu não quiser falar com você e nunca quero e sempre quero. Ligue para mim e cante uma musiquinha em castelhano no meu aniversário, ligue para mim quando for tarde demais para que qualquer atitude seja tomada, ligue para mim quando eu descobrir que meu irmão me odeia. Ligue para mim quando houver luz demais, quando a barulheira da madrugada não permitir que qualquer um de nós durma, quando eu entender que não importo para ninguém. Ligue, ligue para mim quando meu telefone estiver descarregado, quando eu não puder fazer qualquer coisa por quem quer que seja, quando o Paulinho da Viola fizer você chorar com soluços altos, quando tudo estiver perdido. Ligue para mim quando tudo estiver perdido. Quando houver sangue na calçada, no poente, em suas mãos. Quando a perda for irrevogável, quando você não puder mais me suportar sequer por um segundo. Ligue para mim.

DropsdaFal_DomingoCaderninho

http://www.dropsdafal.com.br – para assinar a newsletter: http://tinyletter.com/DropsdaFal

Textos sobre depressão

Textos sobre depressão. Todo mundo escreve, todo mundo lê. Os deprimidos, inclusive. Está mais do que na moda ter opinião sobre a depressão, a sua, a alheia. A solidão continua a mesma, a dor, o medo, os “vou dormir só mais cinco minutinhos” que se transformam em doze horas, as repetições, as autossabotagens. Tudo igual. Mas é cada texto, mano que, olha, que beleza.

Ainda é manhã de terça-feira, Batman.

Alguma coisa tem me incomodado profundamente. Nem estou falando do Brasil, porque o Brasil e eu desistimos um do outro faz tanto tempo. Num universo minúsculo, caseiro, pessoal e absolutamente limitado, tenho me sentido incomodada. Como se a gola da vida raspasse em meu pescoço. Meu blog. Meu blog tem me incomodado profundamente. As coisas que digo me incomodam. As escolhas que fiz. Que faço. Seu nome na boca de pessoas que eu nem gosto tanto assim? Me incomoda demais. Os horários. Os horários me incomodam. As mudanças. Alterações. A enorme quantidade de coisas em que devo me concentrar me incomoda muitíssimo. Não enxergar o essencial? Ah, incomoda sim. Velhos refrões, jargões e frases cretinas de propagandas dos anos 1990 me incomodam como se fossem moscas azuladas nojentas. Não me lembrar quando foi a última vez que nos vimos me incomoda demais. Quase certeza de que foi na casa dos amigos. Foi? Eu não me lembro. As coisas que não mudam me incomodam tanto quanto as que mudam. O momento da revelação. Amizades terceirizadas. O lacre da garrafa de leite. As garantias, a falta delas. Os vasinhos novos dos cactus. A inclusão dos outros na história. Os barquinhos. Palavras que não são minhas me deixam sem voz. Ando triste e cansada E sem voz. E incomodada.