Pedro nega Jesus

Negazione di San Pietro – Caravaggio

Os romanos prenderam Jesus e o levaram para a casa do sumo sacerdote, autoridade local com poder de custódia. Pedro seguia de longe.

Havendo fogo aceso no meio do pátio e estando todos sentados, Pedro sentou-se entre eles.

Uma criada passando viu Pedro e disse:

– Você era um dos que sempre estavam com Jesus.

– Não sei de onde você tirou isso, mulher. Eu nunca o vi na vida!

Mas outro, sentado à sua frente, retrucou:

– É sim, te vi um dia num barco com ele, é você mesmo!

– Meu rosto é comum, todo mundo acha que pareço alguém!

Uma hora mais tarde, outro lhe aponta:

– Conheço tuas fuça! Tu também andava com o galileu!

Pedro saiu bufando:

– Já falei que não o conheço!

Nesse momento Pedro ouviu o galo cantar e pôs-se a chorar.

Todos fizeram silêncio em respeito ao cara que, afinal, perdera o amigo.

O que não podiam saber era o tamanho do desgosto que habitava aquele coração.

Pedro levantou-se e caminhou em direção à sua casa onde lhe esperava sua mulher, que há muito não via e sua sogra, aquela que há anos tivera a bem-aventurança de ver esticadinha no caixão, pronta pra descer à cova e Jesus teve a PACHORRA de ressuscitar numa tarde de quarta-feira. Nem chovia.

Por certo fruto da bebedeira nas bodas de Caná ou querendo fazer uma graça, não importa. Ressuscitou a velha, numa época em que as mulheres viviam mais de cem anos.

O pior era que, agora, com a morte do amigo, acabara a desculpa pra não voltar pra casa.

Sua figura, vista de costas, caminhando cabisbaixo, ombros caídos, era a imagem da derrota. Acabara os desvarios da mocidade. Agora era fazer a barba, vender a harpa e arrumar um emprego. A velha não ia deixar barato.

Ah, Jesus, te negar foi pouco. Eu devia era ter chegado primeiro nas trinta moedas!

Lucas 22:54-62

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *