dentes trincados

No fim a gente tem o quê? A casa da gente. Eu tenho o meu Drops. Vai ficar tudo bem.

*

Tive um padrasto maestro. Ele tava preparando os arranjos duma cantora e tinha umas músicas sei lá eu, meio cafonas, acho, e lá pelas tantas ele virou pra ela e falou “Ô Fulana, o nome do elepê é como ‘Ai como era grande’, é?”. Eles riram, eu ri e o moço da mesa de som do estúdio teve que ficar de pé e ser abanado de tanto que riu. Nem sei porque fui lembrar disso agora.

*

Adultos inocentes, confusos, vacilantes, fazedores de beicinho, choramingando. Corpos e desejos e despesas de adultos, mas almas de pobres bebezões confusos e dodóis. Faça-me o favor, Brasil.

*

O cara acha que me ofende me chamando de paulista. Meu querido, eu nasci na mesma maternidade que o Paulo Maluf, ser paulista não é a pior coisa que já me aconteceu.

*

Ordem dos livros favoritos de Rerispótis meus: 1 4 5 3 2 6 – o último livro eu finjo que não existe. Enfim, informação que achei importante compartilhar com a comunidade.

*

Mulheres não resolvem a vida com um amistoso e catártico soco na cara, né, a gente sorri, o peito borbulhando de dor e segue em frente. Inda manda um “tudo bem”, porque qualquer outra cousa seria crise de choro no meio dum dia de trabalho. Ser mulher é uma coisa muito louca.

*

DR com loja de material de limpeza. Taquei pedra na cruz.

*

Alguém me perguntou como suportar e eu disse algo sobre dentes trincados, álcool, respirar pela barriga e palavras no papel, mas esqueci duma delícia: uma jarra d’água trincando de gelada, muitas folhas de hortelã, um limão inteiro em rodelas (ou picado, se você for mais competente do que eu às voltas com tábuas e fios). As tais palavras, creia, escorregam melhor para o papel durante uma tarde-maçarico como as que São Paulo vem produzindo com tanta competência.

*

Boteco que vende comida chinesa com preço de comida de boteco. Meu bairro, meu mundo.

*

A sensação de ser bom em alguma coisa é uma delícia.

*

Fevereiro acabando e alguém precisa me dizer que março trará um ensaio de fim de calor, porque sinceramente, deu. Tem um monte de coisa que podia acabar em fevereiro.

4 comentários em “dentes trincados”

  1. Essa música (na verdade, esse Vinícius, mas, né, sejamos simples, essa música), ah, essa música.

    Temos a nossa casa, seja ela de tijolos ou em película (afinal, 125 anos de cinema). Não tenho conseguido fazer nada, hoje consegui rever 5 faroestes em seguida, Alguns maravilhosos, outros cafonas demais, todos meus. Todos, eu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *