Firdusi

Eu vivia numa noite sem igual.
Então chegaste, meu rosto adorado.
De tal noite fizeste um dia amorável.
Cantaste melodias e, sempre amiga, disseste as
                    [palavras de que eu andava sequioso.
E aquelas palavras, que nunca esqueci,
Estavam impregnadas de um remoto sopro, tão
                                                          [ sagrado,
Que aquela noite funesta dissipou como fumaça.

             Firdusi
                  939-1020 d.C.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *