.

A volta triunfante dos bolinhos da Telinha, as cousas das quais não damos conta, zup, um vício novo e malvado, um patíbulo ao sol, meu marido Oscar e a melhor louça em que eu puder pôr as mãos

Porque a vida é complexa e múltipla, eis que me vejo na necessidade de ir atrás de programas sobre restauro de carros.

Quem me conhece, sabe: não dou a mínima para carro algum. Quando a vida financeira capotou, abri mão do meu (que, né, é de 1997) e não pretendo ter carro nunca mais, a não ser que meus mais profundos desejos de viver no meio do mato se realizem.

Mas, amigo internauta, eis aqui yours truly completamente apaixonada por programas de carros sendo restaurados.

Se eu preciso de mais um vício malvado? É evidente que não. Mas arrumei este e, aiaiai, que delícia.

*

Sua pele já não é mais o que era, sua voz já não é mais o que era, sua fé para com as amizades já não é mais o que era e sua tolerância para com o objeto do amor já não é mais o que era. Sejam bem-vindos ao limiar da quinta década de vossas vidas, onde a-dor-ainda-dói, mas a paciência, ah, a paciência para com a babaquice definitivamente é coisa do passado.

*

Porque a vida é um horror e tudo dói e nada, nada, nada vai melhorar, encomendei bolinhos da Telinha. Como você sobrevive sem eles, não consigo compreender.

*

Tenho, com uma amiga, um grupo de Whats que se chama RUA (Roedores de Unha Anônimos). Fazemos reuniões para nos penitenciar de nossa vacilante força de vontade e para compartilhar sucessos. É claro que não tenho sucesso para compartilhar porque regredi aos meus doze anos, mas ainda assim, boto fé em grupos de suporte emocional. Recomendo para alguns, inclusive, a criação dos Comentaristas Calhordas e Escrotos Anônimos. Assim como eu, vocês não vão melhorar, mas ter consciência do problema é sempre um adianto.

*

Pessoas que dão conta da vida. Elas me deprimem. Elas me encantam. Elas me fazem querer desistir de tudo. Elas me dão forças para continuar. Depende, sempre, da fase. A minha. Atualmente, elas me intrigam. Seriam as listas delas melhores do que as minhas? Elas têm mais brios? Mais força de vontade? Mais concentração, mais fé? (Bom, qualquer um tem mais fé do que eu, não pode ser só isso). Elas têm expectativas e, portanto, remam com maior vigor?

Não sei. RG e kindle sumidos, as coisas de pernas para o ar, devo dez mil textos pra Suzi, banheiro parecendo um brejo, cozinha-desespero e, olha, pessoal dando conta de filho, marido, mulher, cozinha, emprego, unhas bem-feitas e casa em ordem. Sei lá. Não consigo entender como faz.

*

Alguém mais tem a fantasia da Grande Guilhotina? Tipo, o cara tenta entrar no elevador antes que a turma saia e, do nada, zup, a Grande Guilhotina corta a cabeça dele. O cara faz um comentário que já era inaceitável no século XVIII e, do nada, zup, a Grande Guilhotina corta a cabeça dele. O cara posta um absurdo na rede social e, do nada, zup, a Grande Guilhotina corta a cabeça dele. O cara é malvado com um cãozinho e, do nada, zup, a Grande Guilhotina corta a cabeça dele. O cara faz um comentário babaca que estilhaça o seu coração em milhões de pedacinhos e, do nada, zup, a Grande Guilhotina corta a cabeça dele. O cara está lá falando em público coisas que não devia falar nem no banho e, do nada, zup, a Grande Guilhotina corta a cabeça dele. Jornalistas em surto, telespectadores urrando, as comentaristas da Globonews sem reação e a cabeça do cara rolando no carpete do que foi a sala da coletiva e agora é um imenso cadafalso. Mais alguém? Porque eu penso na Grande Guilhotina o tempo todo.

*

Na treta sobre mesas arrumadas ou não, direitinho-ou-não e meu-jogo-americano-é-mais-bonito-do-que-o-seu, o que me pega, fiquei pensando, nem é o lance de arrumar mesa pra marido. Já fiz muito isso. Não faço mais porque meu marido, hélas, morreu. Quero dizer, faço, porque todas as noites (e, olha, jantamos sopa, inverno ou verão), boto mesas ainda mais lindas para jantar com minha mãe. Nossas louças são especiais, nossos guardanapos, bordados, e nossas taças, ah, nossas taças. Representantes da aristocracia urbana decadente que somos (e, meu bem, bota decadente nisso), nós nos mantemos apegadas a pequeninos rituais sem importância para qualquer um que não seja nós, movimentos que, acreditamos, definem a nós e a nossas vidas minúsculas – gestos tolos que geram um montão de louça suja. Assim sendo, sou ninguém para falar da mesa de quem quer que seja.

O que me pega é o deslumbre com o cargo do marido – escrito em caixa alta para aumentar a importância.  Não ficou claro se ele é cuidado por ter o cargo que tem ou se porque é o marido, mas a insistência em lembrar as amigas do cargo do sujeito (amigas que, nossa, já devem estar carecas de saber disso) é reveladora. O cargo do marido parece ser, neste pedaço da história do casal, parte integrante da identidade de ambos. Quão importante me torno, tendo o meu marido o cargo que tem? O que diz de mim ter um marido “importante”? Eu me torno mais digna, mais bem-sucedida, também mais importante. Por isso, me refiro a ele pelo cargo. Ele não tem nome, não precisa de um nome. Ele não tem, sequer, um daqueles apelidos constrangedores (disse a mulher que chamava o marido de “Vida”). Ele é o cargo dele, eu sou a mulher cujo marido tem esse cargo e abençoados, definidos e extremamente importantes, seguimos.

Tomando sopa, porque sopa é vida.

Livro do Grupo do Drops da Fal – Pré-venda aberta!

Nós nos adoramos, ainda que uns deem nos nervos dos outros um monte de vezes. Rimos juntos, trocamos receitas, histórias felizes. Lavamos uma roupinha suja, ninguém é de ferro. Damos aquele chilique básico do menino que anseia pelo copo de requeijão perante a mãe dura na queda, com todo o supermercado de testemunha – no nosso caso, a interneta – e saímos batendo a porta, jurando que nunca mais e falando mal dos ex-amigos – EX, tá sabendo? – para quem quiser ouvir. Dividimos truques, somos generosos. Escondemos o pulo do gato, não prestamos. Dividimos a poesia e os lanches. Nós nos ofendemos facinho. Nós somos umas fortalezas. Oferecemos nossas músicas d’alma e cutucamos os vizinhos: Ouçam, ouçam, ouçam! Escolhemos minuciosamente os segredos que desejamos revelar e, hélas, deixamos escapar um ou outro que não estava no planejamento. Combinamos programas na vida civil. Às vezes, ante muito amor e acolhimento e tolerância, escolhemos dizer a palavra mais cruel – baseada ou não em fatos reais – porque o que esperamos mesmo é uma boa briga, uma desculpa para ir embora – às vezes, a intimidade dói demais. Resmungamos, Não é hora de mudar essas regras, não?, criaturinhas revoltadas que somos. Mostramos filhos, cães, plantinhas, tatuagens, bolos lindos e bolos tortos, a franja nova e a capa do livro antigo – porque desejamos que participem de nossa vida. Abrimos nossa alma nas altas da madrugada, porque tem sempre um amigo que vai nos acolher. Filmes? Fazemos listas e listas de filmes, Esse aqui vocês não podem perder!, obsessivamente, quase um grupo de pequenos rubens ewalds filhos. Contamos a história do cãozinho que comeu, COMEU, a porta da geladeira, e nossos amigos comentam que estão rindo, mas com respeito. Somos um grupo. Brigamos, fazemos as pazes, desistimos e voltamos (quando nos deixam voltar). Nós nos apaixonamos uns pelos outros e nos desapaixonamos, é da vida. Somos umas pestes, uns amores de criaturas, uns sujeitos incríveis, universos e universos detrás de cada nome, de cada biografia e gato de nome engraçado. Escrevemos sobre nossos mundos e cores e temores e graças e, ao fazermos isso, eternizamos uns aos outros, nosso olhar, nossa voz. Somos um grupo. Estamos aqui uns para os outros. Quase sempre. Quase o tempo todo. Sempre. O tempo todo.

E é com grande alegria que lançamos a pré-venda do Livro do Grupo do Drops da Fal – um livro escrito por alguns dos membros mais queridos do grupo.
A Drops Editora tem imenso orgulho de informar que a pré-venda do Livro está aberta!
Valor 32,00 + 10,00 de frete para todo Brasil.
Pagamento por paypal
Escreva para livrodogrupo@gmail.com

Um Coltrane da Flavia Penido, uma Maliu esotérica numa república morta

Achei um “menta-alecrim” bão de substituir o Bulgari de limão que não fabricam mais. Não que eu fosse ter grana prum Bulgari a essa altura da minha assustadora vida financeira, mas né.

Enfim, ganhei um vidro da minha educadíssima anfitriã e agradeci porque também sou algo educada, mas sem esperança em meu coração calejado pela dor e saudade de meu amado Bulgari Vert. Porém, contudo, todavia, eis que com garbo e elegância ranco a tampa e, voilà, é um cítrico muitíssimo digno. Eita Granado que não nos falha.

*

Aquele amigo que vai embora sem se despedir. Não somos (ou, pelo menos, eu não sou, malandragem) dignos da despedida, da atenção, do gesto, da delicadeza do “Meu bem, chegou a hora, adeus”.

“Já bebi, já comi, quiéquieu tou fazendo aqui?”, nos ensinava a declamar o nosso bárbaro pai ante o olhar horrorizado de nossa mãe, a grega.

Num determinado momento da noite, você olha em volta e quedê o amigo, o motivo – não raras vezes – de você estar ali naquela balbúrdia (olááááá, desgoverno brasileiro), cercada de gente que você gosta-mais-ou-menos (bem feito), de rímel, cinta, sutião MASP e, Deus que me perdoe, corretivo.

Sim, ele foi embora e inda te restam horas de socialização. Graçadeus que egípcios e mesopotâmicos e os caras espertos que vieram antes deles inventaram o álcool.

Me lembrei disso porque esse sábado tive a oportunidade de ver uma moça – que nao é minha amiga, só conhecida de olás – passar por isso. Dessa vez, eu era a balbúrdia, o povaréu, as gentes de quem ela não gosta, o pano de fundo que justificou que ela enfrentasse spandex, salto e sombra com glitter para se encontrar – com o coração aos pulos – com um lamentável e emasculado primata. Me vi de fora da cena e doeu para caráleo, torcida brasileira. Ele chegou, foi simpático com ela por bem uns douuuze segundos, se afastou, circulou por umas cinco rodinhas de parvos e zás, foi-se, desaparecido no éter. E eu, na encolha, covardemente testemunhei o e-x-a-t-o momento em que ela se deu conta de que ele tinha ido embora sem se despedir. Protagonizei a mesma patetice umas duas ou três vezes em bares d’outrora, quero acreditar que para nunca mais. Se ela reclamar com ele amanhã (cabe aqui um imenso “se”, além da nossa proverbial covardia, realmente cremos não ter esse direito), ele vai dizer que a. foi distração b. não queria incomodá-la, ela parecia tão feliz com os outros amigos c. ele teve uma semana infernal, blablablá, estilo “filha, você teve sorte de eu ter aparecido”.

Não confirmo e não nego que umas lagriminhas me assombraram quando vi a cena. Eu devia ter sido uma pessoa melhor, ido até ela e dito alguma coisa do tipo “Querida, é um covarde, parta para outra, ou, se você estiver na mesma situação que eu, para nenhuma”, mas já contei que sou uma covarde. Catei minha linda (linda, linda) bolsa, acenei pro meu amigo carona, um gesto sutil e doce e meigo e discreto que quer dizer mais ou menos “Vamos embora daqui, caralho” e, indo até ela, passei a mão em suas costas e disse: “Minha querida, preciso voltar para São Paulo, mas não podia ir sem me despedir” – porque posso não ser boa, mas não fui criada por lobos.

Identificação, sua danadinha.

*

A Flavia Penido ensinou a fazer download do Coltrane e agora preciso urgentemente que Leandro&Leonardo arrume meu celular preu entupir minha Barbie Fada com o som do velho. Não quero mais ouvir tracousa.

*

Alexandre adorava Djavan. Como é que pode, né gente? Um homem culto daqueles? Poeta maravilhoso, ouvido absoluto, cheio de delicadezas. E adorava Djavan, meu Deus do céu. De quando em vez, a Verô e eu paramos para nos lembrar disso, para nos abraçar e rir da cara dele. Djavan, puta que pariu.

*

O frio voltou. Sequer tenho palavras para agradecer pelo momento. Estou usando duas meias em cada pé, calça de lã e camisa de lenhador. Camisa xadrez, em mulheres da minha feiura, costuma ser um atentado estético, mas no inverno, podemos. No inverno e na casa vazia, evidentemente.

Bebo chá mate morno com leite, vestida como uma mendiga e feliz como uma… o que é feliz, ainda, neste mundo horrendo? Bem, seja lá o que for, neste frio sou feliz como essa coisa feliz que desconheço.

*

A república acabou. Minha mãe me perguntou quando cheguei se podemos chamar de ditadura ou se inda tem algum protocolo a ser seguido antes da liberação do termo. Ela enfrentou uma. Foi espancada e quase morreu.

Maliu reconhece cada sinal e tem cantado antecipadamente cada passo dessa gente escrota com semanas de antecedência. Chegada fosse a uma picaretagem, podia abrir um express do “Mãe Maliu: presente, passado e futuro” e ganhar uma grana com seus poderes premonitórios.

*

A casa tem dado de dez a zero em mim e não é de hoje. Impraticável chamar gente aqui pura e simplesmente porque não dou conta. De gente, da casa, de mim. Aprender a desamar aos cinquenta, senhores, é coisa que não recomendo. Sofremos mais do que adolescentes e não temos ninguém para preparar nosso jantar.

*

Tenho uma médica daquelas chegadas à sinceridade. Ela me aconselhou a fazer planos de oito meses no máximo. E eu adoro gente assim, que chega e “Pá!”. Ao menos quando dentro dum consultório.

*

Curto a segunda temporada de Trapped com moderação que é para fazer durar. No intervalo vi Case, excelente e que, ora, tinha escapado do meu radar.