Mas não hoje

O mundo-lá-fora, aquele lugar tão esquisito. Tem pessoas lá, e elas fazem coisas. Jamais entenderei.

*

“Você se sente feliz por estar viva, não é?”. As pessoas falam assim na vida real. Bão, algumas. Só olho prelas, cara meio abobada, e aceno vagamente com a cabeça. Nem sei por onde começar, amiga.

*

Tem cachorro-quente no mundo lá fora. Ponto pro mundo lá fora. Não consegui comer, virei uma dessas velhinhas ridículas que ficam enjoadas com qualquer coisinha, mas foi muito bom ver outras pessoa pedindo para colocar mais purê aí, tio e comendo seus lanches.

*

O mundo lá fora tem pessoas que pedem seus números: de casa, do documento e da carteirinha. Ah, e do telefone. E de não sei mais quê. E da guia. Sério? Reedito minha cara de tonta porque, gente. Não sei coisa alguma, amiga. E nem tou fazendo gênero, eu não sei mesmo.

*

Por algumas horas sem chave, sem carteira, sem celular. Não nego que é das coisas mais agradáveis.

*

Se eu tivesse dinheiro (é o que vivo dizendo), viveria numa cidade minúscula, minúscula e numa casa longe, longe. Mesmo que isso significasse que eu ia precisar ter um carro de novo. Andando por São Paulo, sempre relembro do motivo de meu desejo. Que horror, que horror. Sei que não é moderno e correto achar São Paulo um pavor, “a gente tem que amar a cidade da gente” e blablablááááá, mas Jesus, que horror. Alguém ganha logo na loteria e me salva, por favor.

*

Minha unhas estão roídas até o impraticável. Todas têm sangue nos cantinhos e a ponta de cada um de meus dedos lateja loucamente. Lavar a cabeça de noite vai ser uma aventura no reino da dor. Um dia desses será hora de eu parar de me punir. Mas não hoje.

16 comentários em “Mas não hoje”

  1. ah, eu adoro cachorro quente. com batata palha, sem purê por favor. purê com pão é uma ideia pra lá de esdrúxula e olha que eu gosto de purê.
    o André uma vez esqueceu o endereço dele. esqueceu mesmo. há muito tempo isso. ele me contou no telefone, quando aconteceu, e tava falando disso outro dia. do susto.

    Curtir

  2. Das coisas esquisitas que as pessoas fazem: gostar de gente (não me julgue. ou julgue, mas ainda me ame, please).
    Eu sinto estar viva. Sinto muito, inclusive, às vezes.
    Gosto de comer na rua. Curiosamente cada dia tenho menos vontade de comer alguma coisa específica e mais vontade comer alguma coisa que eu não sei o que é.
    Não sei números, se alguém quiser saber de mim pergunte, sei lá, o que eu acho da cor púrpura.
    Sem lenço e sem documento, se eu pudesse escolher.
    Se eu tivesse dinheiro não viveria em nenhum lugar, seria turista na terra. A coisa mais tosca a meu respeito é que chamo de casa qualquer quarto de hotel.
    Um abraço pelo que sangra você. Eu gostaria de ter alguém que lavasse meu cabelo por mim. Se eu tivesse dinheiro 2 talvez só lavasse o cabelo em salão #aloka

    Curtir

  3. tb queria uma cidade minúscula…joguei na Mega Sena hoje, catei um pouquinho de dinheiro e meu restinho de fé… 90 milhas, se ganhar te mando um inbox na mesma hora, te juro!

    Curtir

  4. Uma cidade pequena ia me deprimir. Cidade grande “quase” mata, mas tem sempre”algo a mais”. Não sei o quê, mas sei que tem. Talvez um Malbec depois das 11:00h da noite seja uma das respostas… Também joguei na Mega. Me aguarde.

    bjs grande amore.

    Curtir

  5. Eu dirigia na segunda linda de sol, depois de um final de semana lindo com o mesmo sol. De um verde em parques. Eu dirigia e o dia estava lindo e o carro não pegou a saída correta. Extendemos o percurso. Eu fui sendo levada no meio da beleza, com a consciência de ser uma bem afortunada. Eu me questionei até quando vou ter energia para encarar dias tão lindos, que parecem não terem sido feitos para mim.
    *************
    Sexta-santa, caminhei me equilibrando em restos de calçada. Desviando os pés de sacos de lixo, de latas, pedras soltas … mas o olhar, atento pela necessidade da segurança, aterrorizado com a feiura do descaso.Só vi feiura.
    E pareceu um único futuro tão real.

    Curtir

  6. Ultimamente, tenho notado mais dificuldade em entender-me, que dirá entender as pessoas? São Paulo das rondas ateprocurarevouteencontrar, etc., romance, garoa, poesia. Eu também prefiro lugar pequeno, anyway. Cachorro quente é o acarajé das ruas que não têm acarajé. Será que cachorro quente fica, como o acarajé, mais gostoso acompanhado de uisque escocês?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s